sexta-feira, 19 de setembro de 2008

A DIVIDA DE UMA GERAÇÃO PASSADA!

A DIVIDA DE UMA GERAÇÃO PASSADA!

O processo de formação do Brasil feito por portugueses, se valeu da exploração da mão-de-obra de seres humanos, mais especificamente de índios e negros, que foram arrancados de forma cruel do ambiente em que viviam para que fossem jogados nas mãos de senhores que lhes “roubavam a vida”. Como esta era a terra dos índios, talvez por isso fosse mais fácil para eles fugirem dos abusos ao qual eram submetidos, e voltar para o seu ambiente de origem.
Agora com os negros isso já era mais difícil, existe um oceano de distancia que os separavam de sua terra natal os negros foram usados para gerar as riquezas de seus patrões muitos negros lutaram pela sua liberdade, e morreram por isso, o maior símbolo dessa luta foram os quilombos.
Mas só após cerca de 300 anos de exploração é que a liberdade foi alcançada e esta só veio por causa de que agora o mundo se valia de uma outra forma de produção que não era mais alicerçada na escravidão. Assim o negro agora era livre, só que ele possui uma liberdade onde teria agora que ir atrás de um lugar para morar, de suas refeições, de um emprego para poder suprir as outras duas dificuldades anteriores. Ou seja, depois de séculos de exploração os escravos agora eram deixados a mercê de sua própria sorte. Com a chegada dos imigrantes até mesmo o trabalho que viam executando sofreu conseqüências, agora havia um outro “produto” no mercado para fazer concorrência.
Novamente foram escravizados pelo sistema de produção, vendiam agora sua mão de obra isso é verdade, mas recebiam apenas para a sua sobrevivência. Junto com o processo de urbanização se expandiram nas cidades, mas de forma escamoteada, empurrados para as zonas periféricas das cidades os negros começaram a habitar, daí surgindo as favelas, as comunidades populares. Com o processo de imigração e também a expansão populacional, pessoas de outras raças passaram a também morar nessas áreas, e assim como alguns negros – poucos na verdade – também melhoraram suas condições de vida.
Percebe-se com esse pequena explanação a importância do negro na construção do país, e tudo o que sofreu, entretanto todo o mal ao qual ele foi submetido, foi cometido por uma geração de exploradores. Devido a isso quando se fala em uma divida com a população negra isto me soa estranho, não vejo o porque de uma geração pagar pelos pecados da outra. Com o foi empurrada para a margem da sociedade a maioria da população pobre no Brasil é negra, ou de descendência negra. Descendência aliás que não vejo apenas nos estratos mais pobres, mas em todas as camadas.
Como o negro é maioria na classe mais desfavorecida, ele acabou se tornando um estereotipo de pobreza, e isso é algo que deve ser mudado, esse estigma de que negro é pobre e ladrão que deve ser combatido na sociedade brasileira – tem que se mudar esse tipo de pensamento. E não vejo a implementação de cotas raciais como algo que mude este tipo de pensamento discriminatório, vejo a questão da raça nas cotas como algo que poderia acentuar a discriminação no Brasil.
Para mim as cotas tem que ser vista não pela ótica da raça e sim do ponto de vista socioeconômico. A definição de raça em nosso país é algo complicado temos: brancos, amarelos, indígenas, negros, pardos, morenos, mulatos, etc. Por isso a determinação de quem se encaixaria nas cotas raciais é algo falho ao meu ver, e isso já deu suas provas como algo de dois irmãos, gêmeos, onde um foi qualificado para concorrer usando cotas e outro não, isso na UNB(Universidade Federal de Brasília). A definição se é possível se um candidato poderá concorrer ou não a uma vaga fica a critério de uma comissão. E é esta que irá dar o aval se o candidato pode ou não entrar nas cotas.
Desta forma acho mais legitimo que o sistema de cotas seja feito visando apenas características sociais, classe social e estudo em escola pública, não quero dizer que este método não possui suas falhas, mas vejo este como um modelo mais justo de avaliação, já que beneficia de forma mais igualitária tantos brancos quantos negros que venham de uma origem popular.
Igualdade que para aqueles que são contra as cotas é o grande principio da constituição que será ferido, já que o artigo 5º da constituição diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, mas ao meu ver essa implementação de cotas não fere este artigo só vem na minha concepção edificar o artigo 3º em seus incisos I e III que diz que o objetivo fundamental da República Federativa do Brasil é a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, além de ter que erradicar a pobreza e a marginalidade, e reduzir as desigualdades sociais e regionais.
Não sou especialista em direito mas vejo dois artigos da constituição entrando em choque – no caso especifico das cotas – assim creio que a decisão a ser tomada deve ser a que se destina a diminuir as desigualdades. Me valho agora da definição da antropóloga Veena Das (1995) que fala sobre “evento critico” como algo que institucionaliza fenômenos que a principio não eram esperados no contexto imediato que estes ocorrem. Estes eventos mudam as ações e as categorias tradicionais, fazendo com que os atores sociais se reposicionem.
É claro que no Brasil existe uma exclusão e esta tem que ser, se não extinta, no mínimo amenizada, as cotas no meu ponto de vista, sem definir raça, é um instrumento que deve ser utilizado, só que esse instrumento tem que ser paliativo e a educação de base tem que ser melhorada exponencialmente, não só quantitativamente, mas qualitativamente para que assim no futuro as desigualdades sejam elas raciais econômicas, regionais, estejam em níveis baixos e possamos finalmente ver que o Brasil era realmente o país do futuro. Contudo para que exista esse futuro tem que se começar agora no presente. A divida a ser paga, é a divida da educação, a de base e para as camadas mais pobres, nunca ter sido vista com prioridade e responsabilidade visando qualidade e não apenas números.

2 comentários:

pau grande disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clareanna V. Santana disse...

Pensareeeeeeeeeeee!!!!!!!!!!